Skip to main content

Direitos humanos e o comércio de tecnologias

Versão para impressãoSend by emailVersão PDF

Já há anos é possível encontrar provas suficientes de que governos autoritários ao redor do mundo têm contado com tecnologias produzidas por empresas americanas, canadenses e europeias para facilitar violações de direitos humanos – e hoje tudo indica que esta tendência é crescente. De softwares que permitem filtramento e bloqueio de conteúdo online a ferramentas que ajudam governos a espionarem seus cidadãos, muitas de tais empresas estão servindo ativamente a governos autocráticos, como “pequenos ajudantes da repressão”.

O alcance destas tecnologias é incrivelmente amplo: governos podem fazer escutas em chamadas de telefones celulares1, usar reconhecimento de voz para fazer varreduras em redes móveis, usar reconhecimento facial para fazer buscas em fotografias online e offline, ler mensagens de e-mail e texto, rastrear todos os movimentos...

Cindy Cohn é diretora da Electronic Frontier Foundation (EFF). Trevor Timm é colaborador ativista da EFF. Jillian C.York é diretora da EFF.

AnexoTamanho
02_DireitosHumanos_Politics12.pdf1.22 MB
--->